Pages Menu
Categories Menu
Complexo Cafeeiro

Complexo Cafeeiro

Memórias e Iconografias

Foram obtidas através de referências iconográficas e informações fornecidas por Carlos Lincoln Monnerat, nascido em 1923, e morador da Fazenda São Clemente a partir de 1927, somadas àquelas recebidas, por ele, dos ex-escravos Prudêncio, César Custódio, Alexandre e Estevão Berré. E, também, informações de Horácio Custódio e Danilo Custódio, respectivamente, filho e neto do ex-escravo César Custódio, bem como de outros antigos empregados.

Outras informações foram retiradas da avaliação do empréstimo hipotecário realizada em 1907, que descreve a Fazenda São Clemente estando situada a nove quilômetros da Estação de Boa Sorte, e quinze da Estação do Gavião, da Estrada de Ferro Leopoldina. Possuía quinhentos mil pés de café de várias idades, desde dois anos até vinte anos.

As lavouras de café eram classificadas por espécies: Maragogipe, Cabo Verde, Mocca e Java.

Serviam cinco terreiros empedrados, um lavador em cantaria para café com encanamentos para os terreiros, metalúrgica e despolpador para café, pombal com trezentas e sessenta caixas.

Casa palacete, prédio destinado à cozinha, adega e serviços, capela, casa para administração (abrigava cômodos dos empregados domésticos, telégrafo, cozinha dos escravos e senzala), usina elétrica, farmácia, casa para produção de produtos laticínios, olaria, hospital edificado sobre esteios.

Na década de 1920, o primeiro armazém era utilizado como paiol de milho e depósitos em geral.

O segundo armazém era destinado a moradias de funcionários, garagem para o trole, guarda de arreios, cocheira e gasômetro.

O engenho era composto por dois pavimentos e porão, abrigando maquinismos diversos, (quatro elevadores para café, diversas moegas, balança, engenho de serra vertical e engenho de cana), área para ensaque, quatro tulhas de café, marcenaria e carpintaria, depósito de madeiras e garagem para carros de boi.

Moinho, ceva para porcos, cocheira, curral para bois de carro, cemitério localizado a quatrocentos metros da sede da fazenda, composto apenas de covas rasas.

Trinta e nove casas para famílias de colonos (distantes da sede da fazenda).

O aqueduto da Fazenda São Clemente colhia água do Rio Preto, atravessava o Ribeirão de Areias transportando água límpida para ajudar no maquinismo da fazenda.